Hubcash visa atender principalmente a necessidade de pequenos e médios e-commerces, que precisam de soluções customizadas para a sustentabilidade do seu negócio


A startup catarinense
 Hubcash anunciou o lançamento oficial do seu serviço direcionado às pequenas e médias empresas brasileiras com o intuito de democratizar e oferecer taxas diferenciadas na utilização do sistema de pagamento para esse setor. Com o atrativo de não cobrar mensalidade ou custo de aquisição, o produto – que estava em projeto piloto desde o início de 2017 – possui soluções sob medida para redes varejistas, e-commerces, marketplaces e aplicativos. Para utilizar, a empresa interessada paga 3,8% do percentual de cada compra em transações por meio de cartão de crédito, sendo que esse valor percentual pode ser reduzido conforme o volume de transações mensal.

Leia também:

O novo aporte da fintech Bom Pra Crédito
Exchange de criptomoedas recebe aporte de R$ 1,12 bilhão
Pesquisa: Quase 80% das fintechs faturaram menos de R$ 500 mil nos últimos 12 meses

Robson Michel Parzianello, sócio-fundador do Hubcash, afirma que a iniciativa tem como objetivo suprir principalmente a necessidade de pequenos e médios e-commerces, que não conseguem negociar taxas competitivas com os atuais players do mercado pelo fato de não gerarem um grande volume transacional. Segundo dados do IBGE, 90% do comércio eletrônico nacional são representados por negócios de pequeno porte. “Ao oferecer um sistema completo, conseguimos baratear o custo de todos os serviços financeiros para esse público”, diz Parzianello. “Por exemplo, com o Hubcash, a empresa pagará apenas dois reais por boleto bancário, mas somente quando ele for liquidado pelo seu cliente. Em outras instituições, uma simples emissão já gera custo aproximado de cinco reais.”

Outro diferencial da solução é a possibilidade do parceiro escolher se deseja ou não antecipar automaticamente recebíveis de compras parceladas. Parzianello explica que nos players concorrentes, o lojista não tem opção, já que após 30 dias ele recebe todas as parcelas de uma vez, mas com um desconto que pode chegar, em alguns casos, até 20% do custo efetivo da transação. “Em nossas pesquisas de campo, vimos que essa situação é uma grande dor do mercado. A prática afeta a rentabilidade de inúmeros varejistas, limitando a sua margem de lucro e até impossibilitando a realização de promoções junto aos consumidores finais.”

Parzianello explica que o gateway de pagamentos disponibilizado pelo Hubcash pode processar as transações em múltiplos adquirentes, permitindo que o algoritmo identifique a menor taxa de acordo com a bandeira e parcelamento selecionado. “Essa tecnologia possibilita uma redução considerável nos custos efetivos com os adquirentes.” Além disso, a solução disponibiliza um serviço antifraude com análise automatizada, onde as consultas de risco são feitas em tempo real em uma base de dados atualizada. “Também temos soluções especialmente ajustadas para marketplaces como a função split de pagamentos (divisão), que faz todo o rateio e a conciliação financeira de forma automática, sem necessidade de realizar diversas TED’S e repasses.”

Posteriormente, o Hubcash também pretende disponibilizar para microempreendedores individuais, profissionais liberais e autônomos a possibilidade de aceitar pagamentos no cartão (débito ou crédito) diretamente pelo smartphone. A solução será oferecida por meio da tecnologia POS Mobile, que elimina a utilização de máquinas físicas. Nessa modalidade, também não haverá cobrança de aquisição ou mensalidade para utilização. “O objetivo é futuramente ajudar esse público, que deixa de vender produtos e serviços pela falta da maquininha, a aumentar sua receita.”

Como surgiu o Hubcash?


Criado por Eduardo Felipe Raulino e Robson Michel Parzianello, o Hubcash nasceu a partir do desenvolvimento do marketplace 
Farmácias APP, que reúne ofertas de drogarias, farmácias de manipulação, lojas de cosméticos, etc. Seis meses antes de seu lançamento, o marketplace – também concebido pelos dois empreendedores – necessitava da integração com um gateway certificado (com PCI compliance) por conta do armazenamento dos dados e cartões dos usuários. Além disso, como as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não permitem que as drogarias e farmácias processem a venda via terceiros, era preciso criar uma conta em um sistema de pagamento, para esse tipo de estabelecimento se integrar ao Farmácias APP. “Diante desse cenário, surgiram alguns obstáculos com os players tradicionais do mercado. Além das elevadas taxas, na época eles não estavam preparados para atender a necessidade completa de marketplaces regulados”, afirma Parzianello.

Com isso, os empreendedores resolveram criar o negócio com intuito de resolver o problema do Farmácias APP e de pares similares do mercado. “Nesse período de pouco mais de um ano, conseguimos ajustar todos os pontos do produto a fim de entregar a melhor solução possível aos pequenos e médios varejistas”, diz Parzianello. “Atualmente, realizamos a administração do sistema de pagamentos de 20 lojas virtuais nacionais. A expectativa é iniciar o ano de 2019 com o dobro de parceiros.”