Dois dias após o Banco Neon sofrer liquidação extrajudicial e causar um alvoroço no mundo das fintechs, a Neon Pagamentos anuncia o Banco Votorantim como novo parceiro da fintech. Ele irá assumir os serviços de custódia e movimentação de contas de pagamento da fintech, antes operados pelo Banco Neon (ex-Pottencial). Segundo a Neon Pagamentos, o Banco Votorantim vai trabalhar em conjunto com a fintech para restabelecer de maneira integral as atividades o mais rápido possível.

“Estamos confiantes que a parceria com a Neon, uma das fintechs mais inovadoras na reinvenção da experiência em serviços financeiros, é mais um importante passo em nossa estratégia de diversificação de negócios e transformação digital”, disse Gabriel Ferreira, diretor do Banco Votorantim.”

Veja o que aconteceu no caso Neon:

O fim do Banco Neon

Fintechs brasileiras ultrapassam R$ 1 bilhão em investimentos em 2018

Pedro Conrade, fundador e CEO da Neon Pagamentos, disse estar entusiasmado com a nova parceria. “Não poderíamos ter encontrado melhor parceiro, já que o Banco Votorantim é uma instituição sólida, ágil e em plena transformação digital. É o início de uma parceria de longo prazo em que, após o pleno restabelecimento das nossas atividades, vamos explorar, juntos, sinergias em novos produtos e serviços. A Neon segue de forma independente, contando com o suporte do Banco Votorantim para simplificar a vida de nossos clientes com a inovação e o pioneirismo de sempre”, diz Pedro Conrade, fundador e CEO da Neon Pagamentos.

A confusão do nome Neon

Na sexta-feira, após o decreto do Banco Central bloquear diversos serviços no aplicativo Neon, Pedro Conrade teve de passar o dia explicando que a Neon Pagamentos e o Banco Neon são empresas diferentes. Ele explicou que o Banco Neon usa o nome da Neon Pagamentos de maneira “emprestada”. O banco foi fundado em 2016 a partir da união do antigo banco Pottencial com a fintech Contro.ly, fundada por Pedro. A marca Neon, porém, é de propriedade da Neon Pagamentos. As empresas são pessoas jurídicas distintas, com bases acionárias e administradores independentes.

Em meio a vários clientes desesperados e confusos com a notícia do Banco Central, a Neon explicou em comunicado e em redes sociais que os clientes poderiam sacar o dinheiro da conta corrente em caixas 24 horas e também realizar compras no cartão de débito. Porém, ficou suspensos serviços como pagar boletos, transferir valores, usar o cartão de crédito, recém-lançado pela fintech, e fazer resgate de CDB e recarga de celular. Esses serviços ainda não têm previsão de volta, mas o usuário pode acompanhar novidades pelo próprio aplicativo.