banco central liquida neon

Na manhã do anúncio do BC, aplicativo mostrava mensagem de manutenção para usuários que tentassem acessá-lo

O Banco Neon recebeu nesta sexta-feira (4) liquidação extrajudicial do Banco Central por graves violações a normas legais e regulamentares, segundo nota do Banco Central. O Banco Neon, antigo Banco Pottencial, usa a plataforma de tecnologia da fintech Neon Pagamentos para oferecer serviços financeiros digitais.

A autoridade divulgou o comunicado um dia após a fintech Neon Pagamentos receber R$ 72 milhões na maior rodada de investimento série A do Brasil. O uso do mesmo nome pelas empresas gerou confusão no mercado financeiro e entre usuários do Banco Neon e da plataforma Neon Pagamentos.

Segundo Pedro Conrade, CEO da Neon Pagamentos, o Banco Neon usa o nome da Neon Pagamentos de maneira “emprestada. O banco foi fundado em 2016 a partir da união do antigo banco Pottencial com a fintech Contro.ly, fundada pelo CEO. A marca Neon, porém, é de propriedade da Neon Pagamentos. As empresas são pessoas jurídicas distintas, com bases acionárias e administradores independentes.

Segundo a assessoria da fintech, aos recursos depositados em contas de pagamentos dos clientes encontram-se disponíveis para saque e compras por meio de cartão de débito e não serão afetados pela liquidação extrajudicial do Banco Neon. Na noite desta sexta-feira (4), o aplicativo Neon voltou a funcionar para usuários, mas sem acesso a transações como transferências e resgate de aplicações.

A assessoria já havia informado em comunicado que, por enquanto, os usuários não podem pagar boletos, enviar e receber transferências, usar o cartão de crédito, lançado no fim de março, fazer resgate de Certificados de Depósitos Bancário (CDB) e recarga de celular.

“A Neon Pagamentos já toma providências para contar com novo banco liquidante para regularizar a prestação de seus serviços”, disse a assessoria, “e reforça o compromisso de manter clientes e mercado informados.

Nota do Banco Central

O Banco Central do Brasil decretou nesta sexta-feira, 4/5/2018, a liquidação extrajudicial do Banco Neon S.A., entidade com sede em Belo Horizonte. A supervisão do Banco Central do Brasil constatou o comprometimento da situação econômico-financeira, bem como a existência de graves violações às normas legais e regulamentares que disciplinam a atividade da instituição.

O Banco Neon, instituição financeira de pequeno porte, detém 0,0038% dos ativos do sistema bancário e está autorizado a operar como banco comercial. Possui apenas uma agência, localizada em Belo Horizonte.
O Banco Central está adotando todas as medidas cabíveis para apurar as responsabilidades, em observância às suas competências legais de supervisão do sistema financeiro. Nos termos da lei, ficam indisponíveis os bens dos controladores e dos ex-administradores da instituição.
Cabe registrar que as irregularidades encontradas no Banco Neon não estão relacionadas com a abertura e movimentação de conta digital ou com a emissão de cartões pré-pagos, objeto de acordo operacional com a empresa Neon Pagamentos S.A. para estruturação de plataforma de banco digital integrada com a gestão de contas de pagamento.
O liquidante adotará as providências necessárias para o levantamento dos saldos dos cartões pré-pagos para a devida restituição, bem como dos valores relativos às coberturas do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), com a celeridade possível. Os demais credores serão informados pelo liquidante a respeito das providências para habilitação de seus créditos.
banco central liquida neon

Banco Central comunica, nesta sexta-feira (4), a liquidação extrajudicial do Banco Neon

Quer conhecer mais sobre as InsurTechs que estão mudando o setor de seguros no Brasil? Participe do InsurTech Brasil, um encontro onde o mercado se reunirá para discutir os próximos passos da inovação nessa indústria. Garanta sua vaga aqui.