A chave para a comunicação entre aplicativos

A insegurança por causa de fraudes faz com que os bancos sejam, desde que surgiram, instituições cautelosas, o que muitas vezes os impede de dar um passo em direção a mudanças e inovações. Em geral, bancos tradicionais têm aversão à ideia de open source, pois temem se transformar em commodity e serem eliminados como intermediários dos serviços bancários.

Além disso, é difícil lutar contra sistemas legados travados e antigos para mudar toda uma cultura organizacional que está bem consolidada há séculos. Contudo, lutar contra a maré da inovação financeira pode acabar sendo um tiro no pé.

A insegurança em lidar com dinheiro no meio virtual é preocupação de todos, principalmente do brasileiro que viveu as instabilidades políticas e econômicas dos anos 90. Levamos tempo para confiar nas plataformas de e-commerce, e aderir a sites de vendas como o enjoei.com e a OLX, onde a negociação muitas vezes se dá entre pessoas físicas sem intermediários.

Ao longo dos últimos anos, vimos a integração entre diversos sites e redes sociais. Hoje você pode logar no Spotify apenas com um clique, autorizando o uso de seu perfil no Facebook, ou então se cadastrar num jornal ou aplicativo usando o perfil do Google. Essa integração é trazida pela abertura de API (Interface de Programação de Aplicativos) e, em resumo, ela finalmente soluciona uma reclamação comum do consumidor, a de ter de repetir o tempo todo as mesmas informações cadastrais.

O mundo não comporta mais esse tipo de lentidão; queremos ganhar tempo, evitar burocracias e atingir nossos objetivos mais facilmente. Com a abertura das APIs dos bancos, outros sites e empresas terão acesso a dados desde cadastrais até financeiros para dinamizar o processo e a experiência dos usuários.

Apesar do receio de uma integração ligada a dados financeiros, tanto por parte das instituições como do consumidor, o Open Bank traz aos poucos uma mudança nessa mentalidade. Ele vem mostrando que, quando o assunto é dinheiro, a integração de sistemas de forma segura também é possível e, mais ainda, uma ótima oportunidade de negócios.

Em 2016, a consultoria Gartner previu que 75% dos maiores bancos do mundo abririam suas APIs. Talvez esses números tenham sido otimistas demais para o último ano, mas em 2017 essa ideia deve chegar forte no Brasil. Espera-se que mais bancos e novas startups sigam os passos de bancos importantes como o BBVA e o alemão Fidor, e o case de sucesso brasileiro apresentado pelo Banco Original.

Quer conhecer mais sobre as fintechs que estão mudando o setor de Crédito no Brasil? Participe do Cred-Tech Brasil, um encontro onde o mercado se reunirá para discutir os próximos passos da inovação nessa indústria. Garanta sua vaga aqui.