Em colaboração com 

No dia último dia 26/03 foram publicadas pelo Banco Central três circulares alterando diversas questões relativas aos arranjos e instituições de pagamento.

A Circular nº 3.885/18 revogou integralmente a Circular nº 3.683/13, que até então regulava as instituições de pagamento.  Além de alguns ajustes na sistematização e na redação, a norma trouxe alterações relevantes, em especial quanto aos requisitos para obrigatoriedade do pedido de autorização para funcionamento.

Na regulação anterior, todas as instituições de pagamento integrantes de arranjos sujeitos à autorização do BACEN eram obrigadas a entrar com pedido de autorização, independentemente de seu volume transacional.  Pela nova regra, apenas instituições de pagamento que processem mais de R$ 500 milhões/ano em transações ou que possuam mais de R$ 50 milhões em recursos mantidos em conta de pagamento são obrigadas a requerer autorização do órgão regulador para funcionamento.

A alteração veio para corrigir uma falha de mercado gerada pela regulamentação anterior. Isso porque as instituições de pagamento que já operavam em 2014 e entraram com pedido de autorização à época puderam continuar em operação durante o processo de análise do pedido pelo Banco Central. As demais instituições que tinham interesse em aderir aos grandes arranjos, por outro lado, teriam que aguardar o término do processo de autorização pelo Banco Central para iniciar suas operações, o que praticamente inviabilizou o ingresso dos novos entrantes, prejudicando a concorrência.

A partir de agora, as instituições de pagamento ficam livres para aderir aos grandes arranjos, ficando sujeitas à autorização apenas a partir do momento em que passem a ter relevância sistêmica, quando terão o prazo de 90 dias para ingressar com o pedido junto ao Banco Central.

Outra modificação relevante foi a exclusão das instituições de pagamento que atuam com programas de benefícios trabalhistas regulados (como vale-refeição e vale-alimentação, regulados pelo PAT) do âmbito de fiscalização do Banco Central, como já ocorria com os cartões private labele cartões de benefício público (como o vale‑transporte). A exclusão faz sentido, visto que há outros entes governamentais que já regulam os programas.

A Circular 3.886/18 alterou parcialmente a Circular 3.682/13, que cuida dos arranjos de pagamento. Em consonância com a Circular 3.885/18, também foram excluídos do âmbito de fiscalização do Banco Central os arranjos destinados a pagamentos relativos a programas de benefícios trabalhistas regulados.  Ademais, foram excluídos dos critérios valorativos para o arranjo passar a integrar o Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) e, consequentemente, demandar autorização do Banco Central para funcionamento, o valor dos recursos depositados em conta de pagamento e a quantidade usuários, mantidos apenas os critérios de volume anual de transações (R$ 500 milhões) e número de transações acumuladas em doze meses (25 milhões).

Outro ponto relevante foi a definição da figura do subcredenciador, que não constava de forma expressa da regulamentação.  Em alguns momentos se fazia menção a facilitador de pagamentos, mas sem maiores detalhamentos.  Com a nova norma, o subcredenciador para a ser definido como um participante do arranjo que habilita estabelecimentos para a aceitação de cartões, mas que não recebe recursos diretamente do emissor. Ou seja, necessariamente está vinculado a uma credenciadora.

Além disso, ficou definido que apenas os subcredenciadores que apresentem valores superiores a R$ 500 milhões em transações acumuladas nos últimos 12 meses serão obrigados a pagar os estabelecimentos por meio do sistema de liquidação centralizada.  Para os demais a liquidação aos credenciados via CIP é facultativa, havendo prazo de 180 dias para adequação quando os limites transacionais forem atingidos.  Mais uma vez aqui o Banco Central focou na proteção ao risco sistêmico em detrimento da regulação dos participantes individualmente considerados, o que é uma medida positiva em termos de mercado.

Finalmente, a Circular 3.887/18 limitou o percentual do interchange feecobrado pelos emissores nas transações com cartões de débito (à exceção das transações com cartão não presente, como e-commercee digitadas, e transações com cartões corporativos).  A taxa será limitada a 0,8%, sendo que a média ponderada trimestral não poderá ultrapassar 0,5%.  A intenção é reduzir a taxa de desconto final cobrada dos estabelecimentos, conhecida como MDR, e fomentar o uso do cartão de débito, muito mais barato e seguro que o uso de papel moeda.  Mas por envolver apenas um dos componentes da taxa final – que abrange, ainda, a remuneração da bandeira, da credenciadora e do subcredenciador, quando houver – o impacto possivelmente não será tão significativo para o beneficiário final.

Como se vê, o Banco Central vem buscando fomentar a competição, corrigir distorções no mercado e ampliar o uso de meios eletrônicos de pagamento, em um movimento que tende a trazer benefícios para a sociedade como um todo.

Artigo escrito pelo time de inteligência de mercado do Fialdini Advogados. Veja outros artigos sobre regulamentação do mercado fintech aqui.

Quer conhecer mais sobre as InsurTechs que estão mudando o setor de seguros no Brasil? Participe do InsurTech Brasil, um encontro onde o mercado se reunirá para discutir os próximos passos da inovação nessa indústria. Garanta sua vaga aqui.