O Brasil é um dos países com maior spread bancário do mundo. Isso costuma acontecer em países com grande concentração bancária como o nosso, criando um ambiente no qual os bancos decidem quanto o investidor vai receber e quanto o tomador de crédito vai pagar. As fintechs de peer-to-peer-lending, isto é, empréstimo ponta-a-ponta (também conhecida como p2p lending, crédito p2p, empréstimo p2p e empréstimo coletivo – sim, são muitos nomes!) perceberam nesse cenário o potencial de usar inovação para oferecer taxas mais baixas ao tomador de crédito e rentabilidade maior para o investidor.

Inovação das Fintechs de Crédito

Fintech levanta R$ 140 mil em 2h30 para franqueado do China in Box

Ao oferecer plataformas digitais e com estruturas mais enxutas que os bancos, essas fintechs permitem que pessoas comuns emprestem dinheiro para empresas com mais vantagens para os dois Ps da história. No primeiro semestre deste ano, o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou a regulamentação das fintechs de p2p lending a partir da criação da Sociedade de Empréstimo entre Pessoas (SEP). Esse movimento demonstrou a atenção do Banco Central nas fintechs de crédito e também o fomento à inovação e participação de mais empresas no mercado financeiro.  

Conheça as fintechs brasileiras de P2P lending:

BIVA
Plataforma para investidores emprestarem dinheiro para PMEs.
Para quem investe: o valor mínimo inicial é de R$ 5 mil e a taxa interna de retorno varia de 15% a 25% ao ano.
Para quem toma emprestado: taxas a partir de 2% ao mês e prazo para quitar até 24 meses em operações que vão de R$ 3 mil a R$ 8 mil. A empresa pode ser MEI, micro, pequena ou média e deve ter mais de 1 ano.

IOUU.
Plataforma para pessoas físicas ou jurídicas investirem em PMEs e nano empreendedores de baixa renda. O diferencial dessa fintech é que existem três tipos de investimento: coletivo, social e de impacto.
Para quem investe: o valor mínimo é R$ 100,00 e o retorno varia de acordo com o tipo de empréstimo.
Para quem toma emprestado: o valor mínimo varia de R$ 500 a R$ 30 mil, com prazos de pagamento de 3 a 36 meses e taxas a partir de 1,3% ao mês, exceto para empréstimos sociais cuja taxa de juros é zero.

NEXOOS 
lataforma para pessoas físicas emprestarem a PMEs.
Para quem investe: o valor mínimo do aporte é R$ 2 mil por empresa, mas é preciso investir em no mínimo 3 empresas na primeira operação e só pode emprestar até 5% do valor total solicitado.
Para quem toma emprestado: a operação deve ter até R$ 500 mil que são liberados em até 7 dias, para empresas com faturamento anual de R$ 250 mil a R$ 30 milhões e pelo menos 2 anos de mercado.

MUTUAL Aplicativo para conectar pessoas comuns que querem investir e empresas que precisam de empréstimo. Por essa fintech, você pode investir até na empresa de um amigo.
Para quem investe: o valor mínimo do aporte é R$ 500 e o máximo é R$ 50 mil. 
Para quem toma emprestado: a operação também deve ser de no mínimo R$ 500 e no máximo R$ 50 mil. O prazo para quitar o empréstimo é no mínimo em 6 parcelas e no máximo em 12 parcelas. A taxa de juros vai de 3.4% a.m. a 5.4% a.m. Segundo a Mutual, a taxa é calculada de forma a gerar um lucro para o investidor e uma taxa justa para o tomador.

MEEMPRESTA
Plataforma para pessoas emprestarem a pessoas físicas que precisam do dinheiro. Um diferencial dessa fintech é que dá para emprestar e pegar emprestado tanto de amigos e familiares como de desconhecidos por meio de negociações diretas.
Para quem investe: Retorno de 15% a 30% em média com opções para diversificação e recebimento mensal do investimento.
Para quem toma emprestado: taxas de juros de 1,5% a 3,5% ao mês com prazo de pagamento de 3 a 24 meses.

KAVOD LENDING
Plataforma na qual qualquer pessoa pode financiar diretamente PMEs.
Para quem investe: os aportes são a partir de R$ 5 mil por operação.
Para quem toma emprestado: as operações podem ter de R$ 100 mil até R$ 750 mil reais para empresas que faturam mais de R$ 6 milhões por ano. A taxa de juros é de 1,1% ao mês e o prazo para pagar é de 24 meses.