Com mais de 10 mil clientes acumulados em sua carteira e uma média de R$ 3 mil por operação, startup financeira registra inadimplência de somente 0,4% na antecipação de recebíveis

Embora sete de cada dez empresas que buscaram a plataforma da Size para antecipar recebíveis no primeiro semestre de 2019 tivessem histórico de inadimplência, alguma restrição ou apontamento nos serviços de proteção ao crédito, o índice de atraso dos clientes com a fintech é de apenas 0,4%. 

Com atuação 100% digital em todo o país, a Size já atendeu mais de 10 mil clientes, entre microempresas e empresas de pequeno porte, e acaba de bater a marca de R$ 10 bilhões em solicitações de crédito analisadas desde a sua fundação, em 2012. 

Segundo levantamento realizado pela startup, reunindo dados dos seis primeiros meses deste ano, as empresas estabelecidas nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Bahia lideram o ranking do volume de recebíveis antecipados, que geralmente são pagos pelos fornecedores em períodos de 30, 60 e 90 dias.

O valor médio obtido na antecipação desses recebíveis é de R$ 3 mil por operação, predominantemente por meio de duplicatas de nota fiscal de serviço e mercadoria, mas também por recebíveis de cartão de crédito. Sete dias é a média de tempo para a recorrência por uma nova operação.

Segundo o CEO da Size, Leandro Zen, o portfólio da fintech hoje é formado, em sua maioria, por indústrias e empresas do setor de serviços que adiantam os seus recebíveis principalmente para a aquisição de matérias-primas e uso em folha de pagamento, a fim de alavancar as vendas e manter as contas em dia. 

“Já a baixa inadimplência é explicada pela garantia de pagamento que os recebíveis têm, principalmente por serem oriundos de sacados com significativa capacidade de pagamento, que também passam por minuciosa análise do perfil de crédito”, explica. 

De acordo com o levantamento, as empresas que buscam crédito na plataforma têm, em média, dois anos de atividade, embora a fintech atenda pessoas jurídicas a partir de três meses de operação. A maioria delas está enquadrada no Simples Nacional, enquanto uma parcela pequena encontra-se no Lucro Presumido.

“Nossas análises baseiam-se em tecnologia de inteligência artificial desenvolvida na própria Size, por meio do conceito de machine learning, que movimenta e cruza, simultaneamente, milhões de algoritmos até concluir, por exemplo, um diagnóstico da reputação da empresa que busca crédito. Damos importância inclusive a dados sobre comportamento nas redes sociais e relacionamento com fornecedores”, afirma o CTO da startup, João Brambilla.

Quer conhecer mais sobre as InsurTechs que estão mudando o setor de seguros no Brasil? Participe do InsurTech Brasil, um encontro onde o mercado se reunirá para discutir os próximos passos da inovação nessa indústria. Garanta sua vaga aqui.