Meta da Mutual é chegar a R$ 100 milhões até o final de 2019

A fintech brasileira Mutual, que viabiliza o empréstimo entre pessoas, conectando quem precisa de dinheiro com quem quer lucrar com a diversificação de investimentos, está em franca expansão. Operando desde fevereiro de 2018, a startup atingiu, no último mês de março, a marca de R$ 5 milhões de empréstimos concedidos em sua plataforma. Atualmente, a Mutual conta com 185 mil clientes (35 mil investidores e 150 mil tomadores).

O empréstimo entre pessoas (também chamado de peer to peer lending ou crédito P2P) é uma operação em que quem tem dinheiro para investir empresta para quem está precisando. Criada para descomplicar o empréstimo, a Mutual conecta diretamente essas duas pontas, eliminando a necessidade de um banco como intermediário e, assim, diminuindo consideravelmente a burocracia e os juros.

A Mutual acredita no potencial do mercado de crédito P2P e quer elevar consideravelmente o seu crescimento nos próximos anos. Até o final de 2019, a meta é atingir a quantia de R$ 100 milhões de empréstimos realizados pela plataforma digital. 

Para isso, a estratégia é atrair investidores de Fundo de Investimento com Direitos Creditórios (FIDC) e oferecer a opção de fatiamento dos empréstimos, em que os investidores poderão adquirir cotas das quantias solicitadas – e não somente o valor cheio – pelos tomadores de empréstimos. Isso permitirá a criação de uma carteira mais diversificada para diminuir o risco. A Mutual, que já captou R$ 3 milhões no mercado, tem novas rodadas de investimento em aberto.

“Hoje, cerca de 80% do crédito está concentrado nos grandes bancos. Com as pessoas conhecendo cada vez mais as vantagens de tomar crédito com uma fintech isso deve mudar. Além disso, acreditamos na força do nosso posicionamento no mercado. Diferente da maioria das fintechs de empréstimo P2P, em que os beneficiários dos empréstimos são pequenas e médias empresas, nosso foco é simplificar o acesso ao crédito às pessoas sem um CNPJ”, explica o CEO da Mutual, Leonardo Rebitte.

O mercado de fintechs no Brasil está aquecido. Segundo a Associação Brasileira de Crédito Digital (ABCD), o volume de crédito concedido por essas empresas vem crescendo 300% ao ano.

Empréstimos mais acessíveis

O objetivo da Mutual é tornar o empréstimo online uma opção viável, financeiramente, para as pessoas em situações em que tomar crédito é uma melhor alternativa para o consumidor fugir dos juros altos dos cartões de crédito e cheque especial.

“Quando a situação financeira aperta e é preciso pagar contas, uma dívida do cartão de crédito ou mesmo quando alguém quer planejar uma viagem ou fazer um curso, por exemplo, o empréstimo – desde que feito com responsabilidade, planejamento e consciência – pode ser uma melhor escolha”, comenta Rebitte.

A plataforma digital da Mutual possibilita às pessoas obterem crédito a um custo mais baixo do que é oferecido pelos bancos. Ao contratar um crédito pessoal online por meio de uma fintech, o consumidor pode conseguir uma taxa de juros mensal, em média, de até três pontos percentuais menor, dependendo da análise de risco que é feita a cada tomador pela plataforma. 

Renda fixa com alta rentabilidade

O P2P Lending é indicado para investidores com perfis menos conservadores e que buscam diversificar suas carteiras com o objetivo de obter ganhos bem superiores ao CDI, mesmo com um pouco mais de risco.

Segundo a Mutual, a rentabilidade anual de uma carteira, se bem distribuída na plataforma da empresa, pode chegar a 23,5% (ou 400% do CDI) ao ano, já descontando o risco de inadimplência. “Aconselhamos a quem quer investir no empréstimo P2P, que é uma modalidade de renda fixa, a diversificar e criar uma carteira, ou seja, emprestar para mais de uma pessoa. Dessa forma, os ganhos anuais podem ser muito maiores do que outra aplicação de renda fixa, que hoje, em média, fica entre 7% a 8%”, explica Rebitte.

Ao entrar na plataforma, os investidores escolhem os valores – mínimo e máximo – de sua capacidade de investimento e em quantos meses quer receber os pagamentos (entre 6, 9 e 12 meses). Depois de cadastrado, o investidor tem acesso às informações dos tomadores como nome, cidade e o valor do empréstimo. Além disso, é possível ver um score de cada tomador para uma melhor tomada de decisão ao montar uma carteira com mais de um empréstimo para diminuir o risco com uma eventual inadimplência.

Análise aprofundada para minimizar risco

O score da Mutual se baseia no histórico financeiro e na classificação do tomador nos serviços de proteção ao crédito. Isso significa que quanto menor o endividamento e quanto melhor o histórico de responsabilidade financeira, maior será o score do tomador na Mutual. Por consequência, pessoas com score alto têm acesso a menores taxas de juros.

Para minimizar a taxa de inadimplência, a Mutual conta com a mesmas estratégias e tecnologias das grandes instituições financeiras para análise de crédito. Com essas informações, a fintech é capaz de analisar se o cliente possui financiamentos de curto ou longo prazo, qual a projeção de endividamento para os próximos meses, além de verificar se o mesmo está inadimplente em alguma operação de crédito.

“Definimos o score individual com o uso de tecnologia de ponta – similares às utilizadas pelos grandes bancos – para analisar as informações de crédito dos tomadores e, assim, calcular da melhor forma possível o nível de risco. Quanto maior o score de uma pessoa, menor o risco”, conclui o CEO da Mutual.

Números da Mutual

– Usuários cadastrados na plataforma: 185 mil clientes, 35 mil investidores e 150 mil tomadores (março de 2019)

– Empréstimos já concedidos: R$ 5 milhões em março de 2019. A meta é chegar a R$ 100 milhões até o final de 2019

– Valor inicial para pedidos de empréstimo: a partir de R$ 500
– Rentabilidade do investidor: média de 23,5% ao ano (ou 400% do CDI), já descontando o risco de inadimplência
– Juros ao tomador: Variável, a partir de 2,9% ao mês, dependendo do score de análise de risco aferido pela plataforma
– Prazo de pagamento dos empréstimos: até 12 meses

Sobre a Mutual

Em operação desde janeiro de 2018, a Mutual foi criada para revolucionar o empréstimo entre pessoas no Brasil, conectando quem precisa de dinheiro com que quer lucrar com investimentos diversificados. A fintech brasileira oferece uma plataforma digital de peer to peer lending (empréstimo P2P ou crédito P2P) em que qualquer pessoa pode emprestar dinheiro a outra com taxas de juros menores aos praticados pelos bancos. Além disso, permite aos investidores com perfis menos conservadores diversificarem seus investimentos para obterem retornos bem acima do CDI.