Investimentos nas startups e ganhos exponenciais para quem investir a partir de R$1mil nas ideias da plataforma

Depois de 15 dias do seu lançamento, a Captable – plataforma de investimentos em startups – bateu a marca de R$1.000.000,00 em investimentos captados. Os recursos poderão beneficiar quatro startups que participam desta oferta pública de investimentos. Ao atingirem suas respectivas metas, poderão ser contemplados com um aporte financeiro empreendimentos digitais nas áreas de agronegócio (agrotech) comunicação (adtech) saúde (healthtech) e social (socialtech). A CapTable é regulamentada pela Instrução CVM-588 e têm todas as suas funções fiscalizadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). 

Diferencial da plataforma – A campanha de pré-lançamento da CapTable foi baseada na ideia do #bastauma. De acordo com um dos diretores da plataforma, Guilherme Enck, o propósito é mostrar que basta uma startup dar certo para que seus investidores tenham ganhos exponenciais, como foi o caso dos investidores da 99 – aplicativo de transporte de passageiros – que hoje vale mais de US$1bi. “O diferencial da CapTable é a disponibilização de startups que tenham um real potencial de escalar e que possam gerar retornos a todos que investiram nela. Nosso filtro é muito criterioso e conta com nomes experientes nos mercados de startups e investimentos”.

Startups em captação – A CapTable passou pelo chamado MVP (Minimum Viable Product), uma prática comum no universo das startups, que se trata de um período de testes para a formatação do produto, que permitiu seu aperfeiçoamento. Neste momento estão disponíveis quatro campanhas de captação. A primeira delas é a Trashin que realiza gestão de resíduos 360° conectando geradores de lixo, cooperativas de reciclagem e todas as indústrias envolvidas na cadeia de produtos descartados. Outra que está captando na CapTable é a agritech (startups do ramo do agronegócio) Eirene Solutions que atua no desenvolvimentos de novas tecnologias para inovar o setor agrícola com foco em sustentabilidade.

De marketing até nanotecnologia – Já no setor de marketing local, a CapTable selecionou e está supervisionando a captação para a NOC. Trata-se de uma startup que funciona como SaaS (Software em nuvem) de produção de conteúdo para pequenos negócios no varejo local, permitindo que campanhas de publicidade de alto nível sejam acessíveis para empreendedores de pequeno porte. Outra opção que está na lista da plataforma é a InBeauty que faz pesquisa aplicada em nanotecnologia para desenvolver suplementos de vitaminas e minerais em cápsulas que realmente consigam fazer o organismo absorver nutrientes necessários para o fortalecimento de unhas e cabelos e para evitar problemas de saúde.

Os fundadores – A CapTable foi fundada pelos gaúchos Guilherme Enck e Paulo Deitos. Guilherme é formado em Engenharia de Produção na UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e certificado em Engineering Management pela Loughborough University do Reino Unido. Antes de co-fundar a CapTable, Enck foi fundador da Deal Negócios Digitais, empresa de tecnologia aplicada ao setor financeiro, e teve passagem pela Magnólia Partners – Boutique de M&A. Já Paulo Deitos é formado em Administração de Empresas no RS, e fundou as empresas Empreenda.vc, Nemein e URBE.ME. Deitos faz parte da diretoria da Associação Brasileira das Fintechs.

Nova tendência no setor – A ideia dos dois empreendedores aconteceu quando perceberam que o caminho para crowdfunding de investimentos estava apontando para segmentação. “Qualquer segmento precisa de dinheiro para desenvolver o seu negócio. Era necessário segmentar porque a linguagem de uma plataforma para financiar um livro, eventos ou atividades culturais é uma. Já em investimentos é outra”, explica Deitos. Um dos propósitos da CapTable é tornar o investimento em startups acessível também ao investidor comum, possibilitando que seus usuários tornem sócios de tais empresas com valores a partir de R$ 1 mil.